Exercícios para Autoaceitação – por Dr. Ronald Alexander…

atacãoA ARTE DA AUTOACEITAÇÃO – Parte I

Exercícios poderosos para abandonar o autojulgamento e os pensamentos negativos

Muitas pessoas se apegam ao mito de que aqueles que são bem sucedidos inevitavelmente se sentem bem consigo mesmos e estão livres de dúvidas e inseguranças. Muitos clientes com quem trabalho possuem realizações e reputações de respeito e admiração, ainda que a falta de autoaceitação e autofala negativa seja, na maioria das vezes, brutal.

Um dos maiores obstáculos para a transformação criativa e o aprofundamento na autoaceitação são autojulgamentos não saudáveis, e todos nós os temos.

A capacidade da mente de gerar tais julgamentos é muito poderosa, porque está trabalhando com uma programação neural antiga, que deve ser reescrita uma e outra vez antes que processos de pensamento novos e saudáveis se tornem habituais.

Com padrões de pensamento mais saudáveis, é muito mais fácil deixar a resistência, sintonizar suas paixões e recursos internos e avançar com autoconfiança.

“Quando existe apego, contemple a impermanência, a insatisfação e o Não-Ser”  ~Buda~

Tornar-se mais perspicaz e reflexivo através da prática consciente leva a uma maior conscientização dos autojuízos insalubres. Não espere transformar rapidamente o que geralmente são hábitos de pensamento ao longo da vida.

DESCOBRINDO E BANINDO JUÍZOS OCULTOS E NÃO SAUDÁVEIS…

Alguns julgamentos de si mesmo são neutros e não criam fortes sentimentos de raiva, alegria, tristeza ou emoção. Eles são simplesmente parte de sua autodefinição e não têm nenhuma bagagem emocional.

Se você não está atento, talvez não perceba quando os pensamentos, sentimentos, emoções conectados a um autojulgamento aparentemente neutro são insalubres.

Muitas vezes, a mente racional acumula uma série de distorções, como “Eu sou tímido, minha timidez me torna pouco atrativo “; “Minha mãe nunca gostou daquilo, e pareço envergonhar meus irmãos” …

Através da prática de atenção plena e da autoindagação, você pode tornar qualquer mau autojulgamento em neutro.

ILUMINADO E VIVENDO COM ELEVADA PROTEÇÃO…

Você nunca se livrará dos seus maus autojulgamentos e estará completamente livre do sofrimento que causam. No entanto, você pode alterar sua qualidade, aprender com eles e deixá-los ir ou transformá-los para que eles não bloqueiem mais a sensação de bem-estar, e de uma abertura para novas possibilidades, amor próprio e autoaceitação.

Na maioria das vezes, quando você solta seus maus autojuízos, você descobre aspectos de você que o inspiram e o vitalizam. Você começa a ter fé que pode viver de forma mais autêntica e rica.

Você pode não perceber que seus maus julgamentos de suas qualidades estão impedindo você de uma transformação criativa.

Ao tolerar o desconforto de examinar seus julgamentos pessoais e deixar surgir pensamentos, sentimentos e sensações insalubres, você pode drená-los evitando que assustem ou sufoquem você . Em uma crise, você pode usar os aspectos saudáveis dessas qualidades para levá-lo a sair do sofrimento.

EVITANDO A AUTORREFLEXÃO DOLOROSA…

Alguns de nossos julgamentos são tão dolorosos que impedimos nossa mente consciente de trazê-los para a superfície. Sentimos que, como o rosto da Medusa, se os olhássemos eles criariam tantos temores e angústias para nós, que nos tornaria petrificados, incapazes de sair do nosso sofrimento.

Ninguém quer enfrentar um pensamento doloroso como “Eu sou um pai ruim” ou “Pessoas importantes na minha vida não me respeitam”, mas tais crenças insalubres e destrutivas sobre nós mesmos estão dentro. E nosso medo as amplificam.

Ao usar a atenção plena e a arte da transformação criativa, você pode enfrentar a verdade sobre você e manter a fé de que cada uma de suas qualidades pode ser extraída em seus aspectos benéficos.

EVITANDO A DOR DA AUTODESCOBERTA…

A prática de atenção mental quebra os comportamentos de evasão, permitindo que os julgamentos ocultos sejam tocados. Muitas vezes, somos tentados a minimizar sua importância, na vã esperança de aliviar a dor de estar ciente de nossas “imperfeições”.

O medo de que você não pode mudar pode empurrá-lo para a negação. A pesquisa sobre a meditação consciente mostra que as qualidades que pensamos serem imutáveis, que formam o temperamento e caráter, podem realmente ser significativamente alteradas.

Ao reconciliar sua mente através da prática consciente, você cria novas redes neurais.

TRANSFORMANDO A AUTODÚVIDA EM AUTOACEITAÇÃO…

O primeiro passo para dissolver qualquer pensamento, crença, julgamento, emoção ou sentimento insalubre é simplesmente vê-lo surgir em sua mente. Em seguida, você identifica como saudável, insalubre ou neutro, e lida com isso de acordo.

Se é saudável, saboreie-o, experimente-o completamente e tire força e alegria.

Se é insalubre, volte para ele durante e após a sua meditação, e examine os padrões mentais que o geraram, redimensionando conscientemente esses padrões para a autoaceitação e, em seguida, reforce os novos através da prática de atenção plena.

Este processo parece simples, mas você pode achar que as sensações e as emoções que acompanham seus duros julgamentos são tão dolorosas que você rapidamente descobre uma desculpa para terminar a meditação, não analisa o que surge na sua consciência.

Ceder aos comportamentos de esquivar-se bloqueia também a possibilidade de ter clareza sobre quaisquer autojulgamentos saudáveis.

Porque ao conhecê-los pode dar-lhe mais autoconfiança para aceitar que às vezes você exiba qualidades não saudáveis, mas você pode mudar.

A ARTE DA AUTOACEITAÇÃO – PARTE II

Dr. Ronald Alexander

Exercícios poderosos para abandonar o autojulgamento e os pensamentos negativos

TRANSFORME SEUS AUTOJULGAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS…

  1. No seu diário de atenção plena, liste o que você sempre pensou como suas qualidades negativas. Inclua todas as críticas que outros fizeram de você que estava guardando… Basta observar o que você pensa como suas imperfeições. Não julgue.
  2. Como o seu desconforto surge naturalmente, permaneça presente com ele. Reconheça que em breve passará, mas, por enquanto, é uma ferramenta valiosa para ajudá-lo no processo de soltar seus autojulgamentos prejudiciais. Deixe toda crença dolorosa sobre você se levantar, tendo o seu tempo para ficar quieto e consciente, abrindo-se a esse fluxo do seu inconsciente.
  3. Depois de ter escrito todas as autocríticas ásperas, você pode querer agrupá-las visualmente, desenhando linhas e círculos para mostrar conexões com suas origens.

Em seguida, faça as seguintes perguntas sobre cada um desses autojulgamentos:

  • Isso é verdade? Preciso disso neste momento?
  • É verdade às vezes? Em que circunstâncias?
  • Era verdade no passado, mas não mais?
  • Se a sua decisão não é precisa agora, imagine-se arrastando essas velhas crenças e padrões de pensamento insalubres para o lixo.
  • Esteja avisado que, mesmo que você faça essa escolha para excluir qualquer autojulgamento, provavelmente continuará a permanecer em sua mente inconsciente, surgindo uma e outra vez, especialmente quando você medita.

No entanto, agora você verá o que é: um pensamento insalubre e improdutivo que causa dor e sofrimento e invade seu autoamor e autoaceitação. Lembre-se sempre que ele ressoar, e deixe-o de lado sem um exame mais aprofundado.

Se o seu autojulgamento for verdadeiro, reconheça-o como um problema com o qual você estará trabalhando por algum tempo. Você pode até querer usar um dicionário de sinônimos para encontrar palavras para lançar alguma luz de como isso invade a autoaceitação.

Em seguida, escreva uma afirmação do aspecto positivo deste autojulgamento e recite-a várias vezes, enquanto visualiza o sentimento positivo dentro do seu corpo (isto é chamado de incorporação da qualidade). Por exemplo:

1. Autojulgamento insalubre: Desorganizado

Aspecto saudável: Criativo, não contido por estruturas rígidas

Afirmação: “Eu abraço minha criatividade e fluidez”.

2. Autojulgamento insalubre: Sarcástico, cruel

Aspecto saudável: Disposto a me defender, ser honesto, inteligente com palavras

Afirmação: “Eu sou inteligente, direto e forte”.

3. Autojulgamento insalubre: Indigno

Aspecto saudável: Dignidade, merecimento

Afirmação: “Eu valho a pena, eu tenho substância e sinto-me pleno e firme dentro”.

4. Autojulgamento insalubre: Autocrítico

Aspecto saudável: Admiração e confirmação

Afirmação: “Eu me preencho de compaixão e aceitação, e eu me afirmo”.

5. Autojulgamento insalubre: Desejo

Aspecto saudável: Tenho paixão e fogo

Afirmação: “Eu admiro os outros e aprecio a singularidade, e eu anseio a grandeza”.

6. Autojulgamento insalubre: Inveja

Aspecto saudável: Espero mais de mim mesmo

Afirmação: “Estou satisfeito com alegria e equanimidade”.

7. Autojulgamento insalubre: Triste

Aspecto saudável: Estou aberto aos sentimentos profundos.

Afirmação: “Minha tristeza abre o coração para sentir compaixão e tristeza”.

Permita-se experimentar orgulho, prazer e conforto ao reconhecer os aspectos saudáveis ​​do seu autojulgamento e transformá-lo em autoaceitação.

Ao executar este exercício, você pode sentir que está criando desculpas para si mesmo, mas você não está.

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
http://www.decoracaoacoracao.blog.br
https://lecocq.wordpress.com
Este artigo sobre cultivar a autoaceitação e superar o autojulgamento é um excerto, com permissão, do livro do Dr. Ronald Alexander, Wise Mind, Open Mind: Finding Purpose and Meaning in Times of Crisis, Loss and Change (New Harbinger Publications, 2009).
https://www.consciouslifestylemag.com/self-acceptance-self-judgment
Tradução resumida de Vilma Capuano – vilmacapuano@yahoo.com.br
Grata Vilma!
LUZ!
STELA
Gratidão a Todos e a Tudo, por Tanto, sempre !

Fonte:
http://www.decoracaoacoracao.blog.br/2018/01/a-arte-da-autoaceitaca…
http://www.decoracaoacoracao.blog.br/2018/01/a-arte-da-autoaceitaca…

Publicado por

elcienegalindo

Uma pessoa que ama a vida e buscar sair da ignorância, pois aquele que deseja ser um pouco sábio, sabe que quanto mais se aprende menos sabe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s